venerdì 9 gennaio 2009

Morte de Carmen Radulet



Carmen Radulet, professora universitária e investigadora da Literatura e História de Portugal, de origem romena e naturalizada italiana, morreu dia 27 em Lisboa, com 58 anos, vítima de morte súbita, noticiou a Agência Lusa.
O corpo de Carmen Radulet estará hoje na Igreja da Encarnação, no Chiado, e o funeral realiza-se quarta-feira para o cemitério do Alto de São João.
Esta professora da Universidade de Tuscia, em Viterbo, Itália, era titular da cátedra Pedro Hispano/Instituto Camões, de Estudos Históricos Portugueses, na Faculdade de Língua e Literatura Estrangeira Moderna daquela universidade.
Carmen Radulet, que tinha vindo passar o Natal em Lisboa, onde tinha casa, nasceu na Roménia a 25 de Junho de 1950, mas foi em Itália que fez os seus estudos e viveu grande parte da sua vida, tendo-se naturalizado italiana.
Licenciou-se em Letras na Faculdade de Letras e Filosofia da Universidade de Roma e doutorou-se em Estudos Portugueses.
Monitora e leitora nos anos 70 na Universidade de Roma, começou a leccionar Língua e Literatura Portuguesa na Faculdade de Letras da Universidade de Salerno, no ano lectivo de 79/80, obtendo o estatuto de professora associada em 84/85 na mesma universidade.
Desde 1987 era professora catedrática na Faculdade de Língua e Literatura Estrangeira Moderna da Universidade Tuscia de Viterbo, onde também ensinou Literatura Brasileira e História da Cultura Portuguesa.
Em 1992 tornou-se membro da Academia de Marinha e da Academia Portuguesa de História, de Lisboa.
É autora de uma extensa bibliografia sobre História e Cultura Portuguesa, em que avultam obras como, Terra Brasil 1500, Os Descobrimentos portugueses e a Itália: ensaios filológicos-literários e historiográficos e D. João V e a Santa Sé, esta última apresentada na Academia Portuguesa de História, em Lisboa, a 21 de Novembro passado.
Fontes: Lusa e Facoltá di Lingue e Letterature Straniere Moderne



Literatura: Morreu a investigadora romena Carmen Radulet
2008-12-30
Lisboa, 30 Dez (Lusa)

Carmen Radulet, docente romena e investigadora da literatura e história de Portugal, morreu no dia 27 em Lisboa, com 58 anos, vítima de morte súbita, revelou à agência Lusa fonte da Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas.
O corpo de Carmen Radulet estará hoje na Igreja da Encarnação, no Chiado, e o funeral realiza-se quarta-feira para o cemitério do Alto de São João.
Carmen Radulet, que tinha vindo passar o Natal em Lisboa, onde tinha casa, nasceu na Roménia a 25 de Junho de 1950, mas foi em Itália que fez os estudos e viveu parte da sua vida, tendo-se naturalizado italiana.
Licenciou-se em Letras na Faculdade de Letras e Filosofia da Universidade de Roma e doutorou-se em Estudos Portugueses.
Desde 1987 que foi professora catedrática na Universidade de Viterbo, em Itália.
Em 1992 tornou-se membro da Academia de Marinha e da Academia Portuguesa de História, de Lisboa.
Em Portugal tem publicadas obas como "D. João V e a Santa Sé", "Terra Brasil 1500" e "Os Descobrimentos portugueses e a Itália: ensaios filológicos-literários e historiográficos".
SS.


Catalina Sava in http://www.ontuscia.it/notiziaEng.asp?id=28421
(OnTuscia) – VITERBO – (md)

La comunità romena di Viterbo piange la prematura scomparsa della Prof.ssa Carmen Radulet e si unisce al dolore dei familiari, del marito e della figlia. Siamo venuti a conoscenza del triste evento dal giornale portoghese “Jornal de Notícias”, dove si legge dell’improvvisa scomparsa di Carmen Radulet il 27 dicembre scorso, a Lisbona, dove trascorreva il Natale.
I funerali si sono svolti mercoledì 31 dicembre, a Lisbona, nella Chiesa dell’Incarnazione nel quartiere Chiado ed è stata sepolta nel cimitero di Alto de São João. Carmen Maria Radulet, nata in Romania il 25 giugno del 1950, è vissuta in Italia fin dalla giovane età. Laureata in Lettere e Filosofia a Roma, si è da subito interessata alla cultura portoghese e al Portogallo, dove il suo spirito ha trovato riposo.
Ha dedicato la vita all’insegnamento, a partire dal 1977. Dal 1987 fino alla sua morte è stata docente di Lingua e Letteratura Portoghese, e materie affini, presso l’Università della Tuscia di Viterbo. Nel 1992 è divenuta membro corrispondente della "Academia de Marinha" di Lisbona per la sezione di "História Marítima" e della "Academia Portuguesa da História" di Lisbona, e membro del "Centro Italiano per gli Studi Storico-Geografici".
La ricorderemo per il suo contributo letterario e per le sue pubblicazioni, tra cui “Documenti delle scoperte portoghesi”(1983), “Os descobrimentos Portugueses e a Itália”(1991), “Vasco da Gama: la prima circumnavigazione dell'Africa”(1994), “Terra Brasil 1500” (1999).

2 commenti:

Vilma ha detto...

Um dia, quando morreu a minha mãe, um amigo que naquela altura, era somente o meu professor de língua português, enviou-me um poema que amo muito e que penso seja bom neste momento como dedicatória a uma morte prematura e portanto mais dolorosa, se bem, sempre assim é a morte das pessoas que nos amamos.

HAVIA VENTO
Era um mês incerto, havia vento,
eu não teria nascido ainda,
ou já teria morrido.
A fronteira entre luz e sombra
era muito difusa.
Então estranhamente o sol pousou
naquele corpo.
Corpo que nunca vira despido, que cheirava a maçãs maduras,
com brilhos que desciam
às negras sementes da vida.
Estranhamente o sol demorou-se
nos seus ombros.
Um último brilho, ou suspiro, desprendeu-se.
O ar tremia – apesar disso eu era feliz,tinha dez ou mil anos, já não sei.
E. De Andrade

via dei Portoghesi ha detto...

Penso que os familiares, amigos e alunos de Carmen Radulet agradecem tão sensível homenagem que a Vilma aqui lhe fez.
VdP