lunedì 4 luglio 2016

ANGELA DE CHIRICO sobre Elie Wiesel


A nossa aluna e amiga ANGELA DE CHIRICO enviou-nos este texto que temos muito gosto em aqui publicar, agradecendo à autora esta sentida homenagem a um dos seus escritores de eleição.



“Non dimenticherò mai quelle fiamme che consumarono la mia Fede per sempre”. 

O jornalista e escritor Elie Wiesel morreu o dia 2 de julho aos 87 anos de idade.
Judaico e de idioma francês, nasceu em Roménia, foi uma das mais importantes testemunhas do Holocausto, sobrevivente à deportação em que morreram quase todos os seus familiares.
Ele escreveu cinquenta e sete livros e dedicou a vida ao estudo do hebraísmo e à testemunha da Shoah.
O livro mais famoso dele, “A noite”, onde narra a sua experiência enquanto jovem judeu (tinha 15 anos!) deportado para Auschwitz e Buchenwald, encerra páginas terríveis e comoventes. Ele narra-nos que ver todo aquele horror o afastou de Deus (como é che Deus permitia aquele horror?) e a terrível experiência de ter de auxiliar e cuidar do pai até a morte dele, numa inversão do relacionamento pai-filho.
O livro, publicado em  1954, depois dez anos de silencio, e traduzido em Inglês em 1959, foi impresso em poucas cópias.
Em 1986 Wiesel recebeu o Prémio Nobel da Paz, porque “mensangeiro para a humanitade”. Ele dedicou o prémio a todas as vítimas de genocídio nazi.
Depois, o livro vendeu mais de 400.000 cópias por ano.
Foi o único entre os livros dele que nos fala da sua experiência no lager.
Ele dedicou toda a vida à paz e à luta  contra todas formas de opressão.
Hoje perdemos um grande homem que eu amei muito, não só pela história humana, mas também pela  grande suavidade e pelo seu doce sorriso.
Acho que todos temos de ler “A noite” para compreender melhor o passado e para não o esquecer.

 ANGELA DE CHIRICO

1 commento:

Christine Vitali ha detto...

Obrigada Angela pela belissima homenagem !

"Où est Dieu ?" Buchenwald 1943