domenica 31 gennaio 2016

MAURO CLEMENTI: «A teoria das três cascas de noz (uma história de três meninos)»


O nosso aluno do primeiro ano, MAURO CLEMENTI, partilha connosco esta deliciosa história da sua infância, inspirada no poema de Fernanda de Castro, “Reminiscência”. Obrigado, Mauro!



«A teoria das três cascas de noz (uma história de três meninos)»

 
Esta é a minha história, de como eu aprendi que “eu não sei nada”.

Tinha 9 anos e frequentava a quarta classe da escola primária. Um dia a nossa mestra Renza levou-nos a ver uma exposição de objetos e fotografias de navegação e do mar que estava na nossa aldeia. Ali estavam alguns modelos de barcos (à vela, militares etc.) e lembro-me que foi um lindíssimo dia para mim.

Acabada a visita, a nossa mestra deu-nos como dever, fazer alguma coisa inspirada no que nós apenas tínhamos visto na exposição e o tempo para o fazer foi de uma semana.

Alguém pensou em fazer um barco de papel; outros, desenhos de barcos ou do mar; eu e o meu amigo o Claudio decidimos construir um grande e magnífico veleiro de madeira.

Todas as tardes dos dias seguintes nós trabalhámos em casa do Claudio com pedaços de madeira, com serrote e martelos: o entusiasmo era grande, mas o resultado foi pequeno em relação a ele!

Assim foi, que no dia da entrega, somente uma pequena parte do nosso veleiro estava terminada. As pessoas podiam ver que aquele era um veleiro, mas não havia mais que uma parte do casco. Apesar disso, nós achámos que o nosso trabalho era grandioso e que a mestra nos ia premiar como os melhores da classe.

Infelizmente não foi assim. Ela premiou o Folco, que fez “as três caravelas” e para fazê-las utilizou somente três cascas de noz, três palitos e três pedaços de papel, unidos com um pouco de argila por cada casca.

Eu e o Claudio ficámos muito desiludidos mas a nossa querida mestra Renza explicou a todas as crianças a sua decisão: “o Folco fez uma cosa muito simples, mas ele terminou o seu trabalho; pelo contrário o Mauro e o Claudio tentaram fazer uma coisa muito difícil, mas eles não tiveram a capacidade de acabar seus trabalhos, portanto o trabalho do Folco é melhor de quelo deles”.

Desde aquele dia eu não esqueci aquela lição, que eu chamei “a teoria das três cascas de noz”.

Cada vez que, na minha vida, tenho de decidir alguma coisa, sempre me pergunto: “esta é uma coisa que eu posso fazer com a minha força e com os meus conhecimentos?”  E aquelas poucas vezes que eu esqueci de fazer este pensamento, foi sempre um desastre.

Esta é a narração de como eu aprendi que não é verdade que “eu já sei tudo”.


MAURO CLEMENTI

2 commenti:

Christine Vitali ha detto...

Uma liçao simples e entao fantastica ! Obrigada !

Mauro Clementi ha detto...

Muito obrigado!