venerdì 31 marzo 2017

MARTINA MULAS - poesia de amor à lingua portuguesa



Neste mês de Primavera e de Poesia, mais um poema original que temos grande honra e alegria em publicar neste blogue. Trata-se de uma "declaração de amor" à lingua portuguesa por parte de MARTINA MULAS, uma jovem muito talentosa, que agora se revela também poetisa.
Depois de um percurso académico brilhante na Università degli Studi di Roma Tre, Martina Mulas não deixa apagar essa chama que o nosso idioma e a nossa cultura lhe inspiram...
Aqui têm, pois, uma belíssima poesia, em prima assoluta....
Bem-hajas, caríssima Martina!



Um dia qualquer
Se você quer saber
Aprendi com surpresa
Que metade da alma
A sinto portuguesa

Foi o amor pelo som da saudade
Pela paz da sonoridade
Paixão pelos azulejos das mãos de Lisboa
Onde estaria horas à toa

O meu coração podes ver oscilar
Quando sei que posso falar
Desta minha paixão
Para partilhar

Não sei esta língua o que quer de mim
Cada manhã desperto enfim
Com vontade de mudar
E dos meus dias lhe dar

E assim cada vez que olho o mapa
Na cabeça cria-se uma nova etapa:
O vento do oeste só posso acolher
Se aceito que é a arte o que quero escolher

Diz-se que "tudo que é seu chegará até você"
Então pode crer que obrigada eu sou
Pela descoberta do meu eu melhor

Voltámos ao mapa, por um detalhes súbtil:
Olhe a costa oeste do Brasil
Parece que enfim
Ela é para mim:
Na creativa presença
Da cigana influência

O Brasil foi-se,
Longe da África,
Mas ficando na alma com conexão simbiótica

Ambas cresciam como única coisa
Gerando tradição maravilhosa
Gerando ligação impercetível
Com a única força dum mar incrível

Assim que ainda pode cantar
Também do gosto da pele corar
Na luz amarela do pôr-do-sol,
Na alegria alada dum beija-flor

É assim que eu sinto ao falar a outra língua
Ter outro destino
Não um simples ensino

Porém quem não a fala,
Não pode entender
Quando pensas e sonhas na língua que queres
tanta é a alegria de sentir-se fiel
Que eu ainda não o acho possível

Eu de verdade encontrei essa lingua,
e entendi que um caminho não se faz só andando
Mas sobretudo para a própria casa voltando.

MARTINA MULAS

4 commenti:

Mauro Donati ha detto...

Una vera e propria dichiarazione d'amore per la língua portoghese. Complimenti alla poetisa!

Donatella Salvi ha detto...

Brava Martina, la tua poesia è molto stimolante e mi ricorda una frase di un libro che ho letto: «si è a casa sotto il cielo, si è a casa ovunque su questa terra, se si porta tutto in noi stessi» (Fuori non c'è nessuno - Claudia Bruno), intendendo che dentro ognuno di noi c'è un marasma di sensazioni, informazioni, conoscenze che non sappiamo neppure di avere, ma poi basta un quid e tutto si riordina. Scopriamo cosi la nostra natura piu' vera e magari gitana.

Martina Mulas ha detto...

Grazie di cuore!

Martina Mulas ha detto...

Le Sue parole mi rendono veramente orgogliosa e grata, poiché ha colto appieno quella che è stata la mia esperienza personale. Ancora grazie per aver condiviso i suoi pensieri.